Home Quem somos Eduardo Genoveva Agenda Seminário  Fotos Videos Contribua Contato
Sexualidade Cristã
Sexualidade Cristã
Compromisso que gera transformação
Web marketing

Genoveva Rocha

Eu creio que em Cristo encontramos salvação, pois em mim Ele operou um milagre. Durante minha infância fui abusada sexualmente por meu  pai  e  este ato  de violência  vivida,   gerou   em  mim,  inúmeras  e dolorosas consequências.

Durante anos, dentro de mim existia um grande abismo, um verdadeiro buraco sem fundo onde eu me via cair dentro ele por muito tempo, não adiantava gritar, pois quando eu gritava ninguém além de mim podia escutar, visto que o grito vinha de dentro e não fora de mim. Para me defender das pessoas me tornei uma pessoa arredia, manipuladora, egocêntrica e agressiva, maltratava todos que se aproximavam de mim para  afastá-los  e  magoá-los  antes  que eles tivessem oportunidades de fazer isso comigo. Nesta época me achava à menina mais feia do mundo, quando ficava nervosa, ou mesmo ansiosa, tinha uma fuga, acabava com minhas unhas, comia também as cutículas, até que sangrassem, retirava as sobrancelhas até sobrarem poucos fios de cabelo, comia de forma exagerada para me acalmar e nunca tinha controle de nada disto. Às vezes atirava objetos pelo ar ou pelo chão, em um golpe súbito de ira, tudo inconscientemente para afastar de mim qualquer pessoa que tentasse se relacionar comigo e quando digo se relacionar, me refiro ao a qualquer tipo de relação, uma simples conversa, pegar na mão, abraçar, beijar, fazer elogios, etc. Irava por qualquer coisa. Eu me transformei em uma pessoa infeliz, que só pensava em mim e no que eu iria fazer para me tornar uma pessoa feliz e satisfeita. Eu acreditava que a felicidade era algo apalpável e que para alcançá-la deveria correr atrás dela e segurá-la com muita força, porque a qualquer momento ela podia escapar por entre meus dedos. Minhas emoções eram muito alteradas, inconstantes de mais, na mesma hora em que eu estava sorrindo, já começava a chorar ou mesmo gritar e agredir as pessoas em volta de mim. Por tudo que me aconteceu, por quem me tornei, deveras culpei minha mãe por não me ajudar, por não ver o que acontecia comigo debaixo do seu próprio nariz. Muitas vezes lançava indiretas a minha mãe, porque na verdade nunca tive coragem de te pedir socorro, de dizer: “Mamãe me ajuda, olha o que papai fez comigo e o que ele ainda tem feito”. O meu estado de medo culpa e ódio era permanente, me enrijecia, não permitindo que eu conversasse com ninguém, muito menos com ela. Como é perceptível, estávamos doentes, toda a nossa casa estava precisando ser tratada, ser ouvida.

“Está aflito alguém entre vós? Ore. Está alguém contente? Cante louvores. Está doente algum de vós? Chame os anciãos da igreja, e estes orem sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor; e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados. Confessai, portanto, os vossos pecados uns aos outros, e orai uns pelos outros, para serdes curados. A súplica de um justo pode muito na sua atuação”. (Tiago 5:13-16)

Quando minha mãe descobriu, eu já era adulta e não aguentava mais segurar esse segredo sozinha, precisava vomitar esse pesadelo e fiz isso poucos dias antes de meu pai morrer. Nessa fase minha mãe entrou em depressão, chorava e se prostrou no sofá por meses, se culpava de dia e de noite. Não tinha com quem conversar sobre tudo isso, então procurei uma psicóloga para mim, esta psicóloga por muitas vezes tentou me ajudar, mas as dores que eu carregava eram profundas e intensas de mais e ela não conseguia penetrá-las. Eu já não suportava mais toda essa situação, em lágrimas me prostrei em meu quarto e clamei ao Senhor, eu pedi a Ele que me curasse, que me desse uma vida normal, que me fizesse sorrir de forma sincera e espontânea, e que me ajudasse a sair de todo esse sofrimento e angústia.  “Na minha angústia clamei ao Senhor; e Ele ouviu minha voz”. (Salmo 118:5)

Não demorou um dia e o Senhor me visitou, removendo todas as minhas feridas, todas as minhas dores, até que Ele me deu forças e eu consegui jogar terra, areia e cimento em cima daquele buraco que estava dentro de mim. Então, chorei e descansei nos braços do Senhor, e Ele por sua vez, secou cada uma de minhas lágrimas com suas vestes esplendorosas, me lavou com seu sangue e sua água cristalina. A partir daí eu consegui falar sobre o que aconteceu sem entrar em crise de desespero e foi exatamente nesta época que Deus começou a me entregar o controle de todas as minhas emoções, me ensinando uma forma saudável de me relacionar com as pessoas.

Todavia, antes de ser curada acreditava que eu era indigna de me casar e constituir uma família, pois me sentia uma pessoa impura, suja demais para isto. Mas, Deus depois deste processo de cura e libertação, restaurou minha vida por completo, colocou em minha vida um homem maravilhoso, que sempre esta ao meu lado, me ajudando e apoiando. Hoje tenho um relacionamento saudável, dentro dos princípios de Deus. Nos casamos, em harmonia e santidade e em breve sonhamos em alargar as nossas tendas, aumentando a nossa família, uma família agora enraizada e firmada no princípio de Deus, que em nome de Jesus terá uma história diferente da nossa e que será tremendamente abençoada, limpa dessas marcas.

“Sobreveio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou à graça.” (Romanos 5:20)

Você e seus filhos também podem ter uma história diferente.

Em casos de suspeita a qualquer violência.

Denuncie: Disque 100!